Calendário 2015 para impressão

Nenhum comentário

Oi meninas, tudo bem? 


Pois é, sei que já havia me despedido e tudo mais, mas finalizei uma coisa que queria muito fazer ainda este ano: o calendário de 2015 para imprimir.



Fiz desse jeitinho porque acho bem prático ter um espaço para anotar os compromissos do dia. Não sou muito fã daqueles calendários apertadinhos porque não dá para anotar nada! 

Costumo ter um desses em uma parede bem visível da minha cozinha, assim tenho uma visão geral do mês.

De presente, criei um espacinho especial para você escrever qual a sua meta naquele mês. Eleja no máximo duas metas a serem alcançadas e as faça! No final do ano (a apressada, rs), você terá realizado 24 coisinhas que estava planejando há tempo. Vai ver que sensação ótima!

Então, sem mais enrolações, clique aqui para baixar o calendário mês a mês.

Boas festas!

bjm,
Cidália

Boas festas!

Nenhum comentário

Já é Natal e eu ainda não cumpri minha metas de 1983???? Como assim????
kkkkk



Minha belas, estou saindo de férias (urrruuuuu, #maetambemmerece) e gostaria de dizer que estarei nessa situação chata até o dia 09/01/2015. Vou curtir a família, as crianças em tempo integral e tentar não enlouquecer com as aprontações desses anjinhos e tudo mais, rs

Então, o recadinho de hoje é puro agradecimento. Agradecer a todas minhas belas leitoras que estão sempre aqui, ou no face, lendo e curtindo o blog. Neste ano, consegui me organizar para tirar do papel esse projeto que já é meu xodó. 

Durante esse período, farei uma retrospectiva na fanpage com os posts mais acessados durante 2014. Caso você tenha perdido alguma dica, essa é a hora de recapitular.

Vou aproveitar também para preparar algumas coisinhas muito legais para o ano que vem, estou cheia de ideias: sorteios, entrevistas, brindes, vídeos, lojinha... preparem-se porque 2015 será cheio de novidades aqui no blog.

Por hora quero desejar a todas BOAS FESTAS (adoro dizer isso no fim de ano), festas cheias de amor, comida, sorrisos e, claro, familiares.

E que 2015 seja uma ano realmente NOVO para todos.


Desenho feio pelo meu filho, 5 anos


bjm,
Cidália

Babá ou creche em período integral?

Nenhum comentário


Recebo muitas perguntas de mães praticamente se culpando porque têm que trabalhar o dia todo e/ou não têm com quem deixar (mãe, sogra) os filhos e são obrigadas a deixá-los na escola em período integral. E são sempre os mesmos argumentos: ´tadinhos, eles ficam muito cansados... o dia todo na escola´. Olha, acho que tenho uma opinião particular a esse respeito.




Meu posicionamento é a favor da creche em período integral (até quando você puder/quiser e/ou achar necessário). 

Primeiro porque você precisa trabalhar fora de casa (então não se culpe, isso é bom). Nem todo mundo tem mãe ou sogra por perto para ajudar. Segundo porque seu filho estará mais bem assistido em uma escola do que em casa (minha avaliação).

Explico:

- geralmente os cuidados nos pequenos nas escolas ficam a cargo de pedagogas ou estagiárias que estão cursando pedagogia. Será que você encontraria uma pessoas com esse preparo para trabalhar exclusivamente na sua casa e com seu filho? E se encontrasse, quanto isso custaria?

- na escola há muitas atividades: esmagar frutinhas, trabalhar com massinhas, pintar telas, experiências (plantar feijão, fazer hortinhas, etc.). Será que uma babá faria todas essas atividades que a escola proporciona (ou pelo menos a maior parte delas)?

- a escola começa a introduzir algum conhecimento dirigido: ensinam as vogais, os números de 0 a 10, nome dos animais, estações do ano, a letra inicial do nome da criança (estou me referindo a creches com crianças até 3 anos, depois são outros conteúdos). Será que uma babá faria isso? E de que maneira?

Sem falar que na escola a criança tem outras crianças para interagirem, enquanto que em casa seu convívio será limitado à babá e a outros pequenos apenas no momento pontuais, como o parquinho.

Não sou contra as babás, pelo contrário. Existem anjos que ajudam muitas mães a criarem seus pequenos, e o fazem com muito carinho. Há babás que ficam na família e acabam cuidado até de duas gerações. O que estou dizendo é que se você, mãe-que-precisa-trabalhar-fora-de-casa (e que não tem dim dim para pagar uma babá em tempo integral, porque é caro, gente!) e que não tem outra opção a não ser a escola em tempo integral, não se culpe: seu filho não sofrerá ficando na escola o dia inteiro. Ele estará bem assistido, fazendo atividades divertidas, vai tirar um cochilo, ou seja, não será um sacrifício para eles nem cansativo, então não precisa se culpar. Escolha uma escolinha que te atenda e faça uma boa adaptação com seu pequeno (isso é bem importante).

 
Seria ótimo que a nossa licença maternidade fosse de três anos (ou será que ficaríamos loucas? rs...), como no Canadá, mas não é. Então, temos que pensar que estamos fazendo o nosso melhor... até porque acredito que estamos mesmo.

bjm,
Cidália

Sobremesa para o Natal: delícia de abacaxi

Nenhum comentário

Cansei de mousse de maracujá para o Natal. Mas tenho que confessar que adoro mousse.


Então, este ano resolvi inovar na receita, mas ainda fiel ao mousse. Demoradinha, mas fácil e deliciosa.



Ingredientes:

1ª camada:. 1 embalagem de gelatina sabor abacaxi
. 250 ml de água fervente
. 3 fatias de abacaxi em calda cortadas em cubos (240 g)
2ª camada:
. 1 embalagem de gelatina sabor abacaxi
. 250 ml de leite quente
. 1 xícara (chá) de ricota (200 g)
. 2 colheres (sopa) de açúcar

Modo de preparo:

1ª camada: Dissolva bem a gelatina na água fervente e coloque em uma fôrma refratária ou taças individuais. Distribua os cubos de abacaxi em calda e leve à geladeira por aproximadamente 3 horas, ou até firmar.
2ª camada: Dissolva bem a gelatina no leite quente e bata no liquidificador junto com a ricota e o açúcar, até obter um creme homogêneo. Deixe amornar e espalhe sobre a primeira camada. Volte à geladeira por mais 3 horas.

Preparo: Rápido (até 30 minutos)
Rendimento: 8
Dificuldade: Médio
Categoria: Musse
Calorias: 131

Entrevista: Suziane Emerich, nutricionista e mãe!

Nenhum comentário
Meninas, não sei vocês, mas sempre tive a curiosidade em saber como é a alimentação de um filho de uma mãe nutricionista. Pois bem, uma grande amiga, Suziane Emerich, hoje vai matar minha curiosidade. Ela é nutricionista e tem uma pequena de quase 2 anos, que come de tudo, tudo mesmo!

Pra quem é mãe (Pqm):
O que sua filha come e o que ela não come?

Até um ano de idade, ela havia consumido além do leite materno, frutas, hortaliças cozidas, carnes magras, ovos, arroz branco e integral, leguminosas, aveia e azeite extra-virgem. Ao completar um ano, introduzi tapioca e cuscuz enriquecidos com gergelim, castanhas e/ou linhaça, vegetais crus e suco de fruta sem açúcar. Com 1 ano e 4 meses introduzi biscoitos integrais, macarrão e algumas preparações sem açúcar como bolo de banana. Com 1 ano e 6 meses introduzi alguns derivados do leite como queijo branco e iogurte sem corantes, alguns tipos bolo e pães e liberei na creche suco de polpa sem ou com pouquíssimo açúcar. Hoje com 1 ano e 9 meses ela tem uma alimentação bem variada, mas não come de jeito nenhum embutidos, enlatados, sucos de caixinha, refrigerante e salgadinhos de pacote.


Pqm:
Por que ela não come esses alimentos?

Preocupo-me em formar bons hábitos alimentares. Acho que a introdução precoce de certos alimentos prejudicaria isso. Além disso, embutidos, enlatados e salgadinhos de pacote são alimentos com altos teores de sódio, gordurosos e pouco nutritivos. Sucos em caixa na maioria possuem altos teores de açúcares, conservantes e pouca fruta. Refrigerantes não são nada saudáveis. Doces e balas são coisas que nunca ofereci pela pouca idade e que ela ainda não me pede.



Pqm:
Você prepara as refeições dela baseado em calorias, como se fosse uma 'paciente' ou vai mais pelo instinto de mãe mesmo?

Não fico calculando calorias, ela é quem me indica as quantidades que consegue consumir, ela faz o controle de saciedade dela. Preocupo-me no que ofertar e, para isso, baseio minhas escolhas na pirâmide alimentar da Sociedade Brasileira de Pediatria. Sei se está tudo bem acompanhando peso,  crescimento e desenvolvimento dela.




Pqm:
Você é mais preocupada em dar o exemplo na alimentação da sua filha porque você é nutricionista?

Sou presente e comprometida com alimentação da minha filha, provavelmente porque entendo a importância de uma alimentação saudável e da formação de bons hábitos. Acredito que ser nutricionista influencia sim, mas qualquer pessoa que entenda a importância de bons hábitos alimentares faria o mesmo por seus filhos.


Pqm:
Você come um alimento na frente da sua filha que você não costuma oferece para ela? Por quê?

Já comi alguns lanches na frente dela sem oferecer, mas percebo que quanto mais ela cresce, mas difícil isso fica. Quando ela me pergunta o que estou comendo, converso com ela, digo que é o “papá da mamãe” e não dela, mas pergunto se ela quer o dela. Acho que ela precisa entender que alguns alimentos não são adequados para a idade dela. Imagina algum adulto tomando uma cerveja e ela perguntando para você o que é?! Não dá para oferecer, né?


Pqm:
Como mãe-nutricionista, se tivesse que dar um conselho, apenas um, para suas amigas sobre alimentação dos pequenos, qual seria?

Ensine e estimule o consumo de frutas e hortaliças.


Pqm:
Na sua percepção, o que você faz e observa que outras mães não fazem com relação às refeições de sua filha?

Ofereço oleaginosas para minha filha. Ela come uma castanha todos os dias. Além disso, ela come peixe 2x na semana, pelo menos uma fruta cítrica todos os dias, e uma porção de frutas vermelhas 4 a 5x na semana.


Pqm:
O que uma mãe leiga, como eu, deve observar ao elaborar um cardápio para o dia a dia das crianças?

Quanto mais natural for
 o alimento, mais saudável será a alimentação da criança. Quanto mais colorido e mais variado, maior a chance de atender às necessidades nutricionais dela. Vale à pena conhecer a pirâmide alimentar infantil recomendada pela Sociedade Brasileira de Pediatria, pois é um guia bem simples, onde a mãe encontra o número de porções de cada grupo alimentar que deve ofertar a seu filho.


Pqm:
Com essa correria do dia a dia nem toda mãe tem tempo para preparar todas as refeições diárias (almoço, lanches, jantar). Você poderia indicar algumas estratégias práticas que podemos adotar para prepararmos refeições balanceadas sem investir muito tempo na cozinha?

Para facilitar, guardo hortaliças e frutas já higienizadas. Chego do mercado com as compras da semana e já deixo guardado tudo limpinho. Isso ajuda muito na hora da correria, que basta pegar o alimento e usar sem grande demora. Além disso, guardo em pequenas porções. Por exemplo, congelo a carne na quantidade certa que usarei na refeição. O descongelamento de uma porção menor é muito mais rápido, dá para fazer até mesmo direto na panela, se não der tempo de descongelar o alimento previamente. Também dá para congelar alguns pratos prontos, assim, na correria, basta descongelar e servir com uma saladinha. Também é bom ter em mãos algumas receitas práticas e saudáveis. Assim, na correria você consegue fazer algo rápido e ao mesmo tempo saudável.

Congelando em pequenas porções








Pqm:
Qual é a maior dificuldade que você tem com a alimentação da sua pequena?

Alimentar minha filha, não é tarefa difícil. Se ela estiver bem, ela come com facilidade. Encontro alguma dificuldade em viagens, não por ela, mas por causa do acesso aos alimentos. Lanches são fáceis, levo uma fruta na bolsa e está tudo certo, mas peno um pouco no almoço e jantar. Nem sempre há restaurantes com comidas adequadas aos pequenos (pense, por exemplo, em viagens para os EUA ou mesmo em praias brasileiras). 

Muitas vezes não é possível preparar a comida no hotel e carregar o dia inteiro para oferecer na hora do almoço ou jantar. Não vejo problema algum eventualmente recorrer a uma papinha industrializada, porém não dá para fazer isso uma semana inteira. Então, dependendo da viagem, alimentá-la deixa de ser algo simples.


Pqm:
A partir de que idade os bebês podem/devem comer a mesma comida que os adultos?

Com um ano os pequenos podem comer a comida da mesma panela dos adultos, desde que a alimentação de casa seja saudável.


Pqm:

Não dei açúcar e farinha branca aos meus filhos até quase 2 anos, um pouco menos com a mais nova. Qual a sua opinião sobre a restrição de açúcar? Até que idade devemos manter a restrição?


Crianças até 1 ano não devem comer açúcar de jeito nenhum. Depois desta idade, o consumo deve ser bem esporádico. E quanto mais tarde for introduzido, melhor. 





Muito bom, vou seguir algumas dicas que não faço, rs. Para quem quer uma sugestão de cardápio prático, veja aqui o post.

bjm,
Cidália

Teste: que tipo de médico é seu obstetra?

Nenhum comentário

Antes de escolher minha obstetra (foi a mesma nos meus dois partos), fiz uma espécie de entrevista com 12 médicos antes. Isso mesmo: DOZE!!! Exagero? Pode ser, mas tive meus pequenos com quem eu realmente confiava. Então, valeu a busca.

Por isso o post de hoje vai ajudar bem as meninas que estão nessa busca. E, olhe, não tenha medo de trocar se é isso que seu sentimento está pedindo, ok?


1) Qual a sua postura em relação à "cesárea x parto normal"? 

a) O parto normal é o melhor, mas só dá para saber na hora.

 
b) Hoje em dia não faz sentido ter bebê por parto normal, com as técnicas de cirurgia tão avançadas e seguras. A recuperação é rápida e graças aos novos antibióticos, antinflamatórios, antitérmicos e analgésicos, você pode ter uma vida quase normal em menos de 2 meses.

 
c) O parto normal é melhor, mas na sua idade (ou com o seu peso, ou nessa época do ano, ou para uma pessoa sensível como você) a cesárea é mais garantida. 


d) O parto normal é melhor e pelo menos 90% das mulheres podem dar à luz naturalmente. Você também tem tudo para ter um parto normal e nós vamos nos preparar para isso! 


2) Quais intervenções no parto você considera essenciais? 


a) O que eu uso nos partos é o soro com ocitocina (hormônio) para acelerar as contrações, episiotomia (corte no períneo) e rompimento da bolsa aos 5 cm de dilatação. Mas às vezes tenho outras idéias durante o parto. Depende do dia e dos meus compromissos. 


b) Eu uso as intervenções apenas em raros casos, até porque a maioria delas podem ter efeitos colaterais indesejáveis. A natureza pensou em tudo, para a grande maioria das mulheres. 


c) Só a anestesia, porque acho que a mulher não deve sentir dor. O resto varia de mulher para mulher. 


d) Só a episiotomia, porque o parto pode destruir a vagina da mulher e provocar incontinência urinária. 


3) Em que posição posso dar à luz? Posso ter um parto de cócoras?



a) Ra ra ra ra.... Parto de cócoras? Você não é índia, é? A mulher de hoje não tem musculatura para ficar de cócoras. Você quer ser partida ao meio, minha filha? 

b) Semi-reclinada, pois no centro obstétrico da maternidade onde atendo, tem uma mesa de parto que permite que a paciente eleve um pouco as costas. 


c) Da forma que você se sentir mais confortável, podendo ser de cócoras, de quatro, de lado ou de outro jeito que você inventar. A única posição que eu procuro não incentivar é deitada, porque o bebê pode ter o suprimento de oxigênio comprometido. 


d) Como assim? Existe outra posição para dar à luz que não seja deitada?


4) Qual será sua postura caso eu recuse alguns procedimentos que você esteja recomendando? 


a) O parto é seu. Você decide o que é melhor. Se eu indicar um procedimento, vou te explicar porque, vantagens e desvantagens, mas quem tem que resolver é você. 


b) Eu não recomendo procedimentos. Eu faço. Na hora do parto você não tem condições de discutir o que é bom para você. Aliás, desde o início da gravidez a mulher tem o comportamento alterado, bem como a capacidade de discernimento. 

c) Eu terei que abandonar o atendimento e chamar um plantonista, pois não quero me responsabilizar pelas desgraças que podem acontecer ao seu bebê. 


d) Você não tem o direito de recusar um procedimento que está sendo prescrito para o bem do seu bebê. 


5) Até quanto tempo você espera na gestação, antes de indicar procedimentos por "passar da data"? 


a) Eu espero até 40 semanas. Depois disso faço a cesárea. Nem tento a indução, porque é tempo perdido. Ou você prefere arriscar a vida do seu filho e viver com esse peso pro resto dos seus dias? 


b) A gestação normal vai de 38 a 42 semanas. O que eu proponho é um cuidado mais intenso depois que passa de 41 semanas. Mas a princípio, enquanto o bebê e a placenta estiverem bem, eu não faço nada. Passadas 42 semanas, podemos começar a pensar em indução do parto. 


c) Eu espero até 40 semanas. Depois disso interno para induzir com soro. 


d) Eu espero até 41 semanas e depois interno para induzir com citotec. 


6) Você tem o hábito de pedir permissão e informar tudo o que você acha necessário

fazer durante a gestação e o parto? 

a) Como assim, pedir permissão? Eu estudei 10 anos, trabalho há 15 anos com partos e sei o que estou fazendo. Se for pedir permissão para fazer tudo, vou passar o dia nessa lenga-lenga com minhas pacientes. 


b) Só peço permissão quando acho que o procedimento vai doer. 

c) Não faço nem um exame vaginal sem pedir permissão, pois o corpo é seu, o parto é seu. Meu dever é fazer o melhor, desde que você me permita e entenda o que está acontecendo. 


d) Depende do dia, pois às vezes depois de 2 plantões seguidos, eu fico meio impaciente. 


7) Qual é a sua taxa de cesáreas?
 


a) Não sei, não tenho contado ultimamente... Se é alto? Não considero alto, porque hoje em dia as mulheres só querem cesárea. A culpa não é minha. Elas já chegam com uma idéia pré-concebida. 


b) Minha taxa de cesárea é baixa, cerca de 40-45%... 


c) A taxa é de 20%.. De partos normais.. 


d) Minha taxa de cesárea está perto de 25%, o que ainda considero alta, mas estou tomando algumas providências para tentar baixar para os 15% recomendados pela Organização Mundial da Saúde.



8) Posso levar meu marido e uma acompanhante (doula) para o meu parto? 



a) Por mim você pode levar qualquer pessoa que faça você se sentir segura e tranquila. 


b) Porque? Você vai dar uma festinha no centro obstétrico? Quer ver seu marido desmaiando? Eu acho que um acompanhante já é muito. 



c) Pode levar só o marido, mas só depois que ele fizer a preparação comigo, porque eu quero um aliado, não um inimigo me vigiando. 

d) Não, eu acho que acompanhantes atrapalham, perturbam o ambiente, fazem muita pergunta, deixam a mulher insegura, ficam questionando o médico. Eu não atendo a família, eu atendo a gestante! 


9) Você acha possível um parto normal depois de uma cesárea? 


a) Você está louca? Quem andou falando uma bobagem dessas para você? Deixa disso, minha filha, isso é coisa de natureba inconsequente. 


b) É possível, mas tem que usar fórceps para não ter um período expulsivo prolongado. 


c) É possível se o trabalho de parto não passar de 4 horas. 


d) É possível e é uma ótima opção, com grandes chances de dar certo. 


10) Você acha que tendo uma gestação de baixo risco posso ter meu bebê em casa?


a) Sim, o local do parto deve ser escolhido por você e seu marido. Se essa for sua opção, devemos tomar algumas precauções, como ter um hospital relativamente perto para o caso de precisarmos de remoção. Mas geralmente não há necessidade. 

b) Sim, mas eu não atendo partos domiciliares. Posso tentar te indicar um médico que faça. 


c) Você enlouqueceu? Quer matar seu bebê? Quer se matar? Já pensou como é agradável sangrar até a morte com sua família te olhando sem ter o que fazer? 


d) Sim, mas é muito arriscado. Muito mesmo. Você está com idéias muito românticas sobre o parto. Deveria fincar os pés no chão. 


11) Devo fazer um curso de preparação para o parto? 




a) É bom, não porque você não sabe o que é certo, mas o curso vai te dar dicas preciosas, vai te dar boas sugestões para um parto agradável, vai te dar dicas de amamentação. No mais, você vai entrar em contato com outras gestantes, o que pode ser uma experiência bastante enriquecedora. 

b) Bobagem. Na hora eu te digo o que é certo ou errado. Eu estudei 10 anos, pratiquei mais 15 e te garanto que sei fazer um parto. É só você ficar deitada quietinha que tudo vai dar certo. 


c) Faça apenas o curso do hospital, para saber onde é a entrada, como são as rotinas do hospital, como se comportar e o que esperar. 


d) Tanto faz. Você também pode ler essas revistas para mãezinhas que tem todas as dicas que você precisa de enxoval, decoração, exames médicos e tal. 


12) Quantos exames de ultrassom eu devo fazer ao longo da gestação? 


a) O ideal é fazer em todas as consultas e por isso eu já tenho um aparelho aqui no consultório. A gente já vai vendo a carinha do bebê, como ele se mexe, todas as partes do corpo e tudo o mais. 


b) Você deve fazer pelo menos 4 para ver se o crescimento do bebê está bom. 


c) Eu recomendo fazer o menor número possível de exames, pois ainda não foi totalmente provado que o ultrassom é inócuo. Algumas pesquisas apontam para uma possível alteração no cérebro em bebês que passam por muitos exames na gestação. Só vou pedir esses exames se tivermos que confirmar algum diagnóstico. 


d) O máximo que o seu plano de saúde permitir antes de vir aqui me atazanar a paciência. 







Some os pontos: 

1- a(2) / b(1) / c(2) / d(3) 
2- a(1) / b(3) / c(2) / d(2) 
3- a(1) / b(2) / c(3) / d(1) 
4- a(3) / b(1) / c(2) / d(1) 
5- a(1) / b(4) / c(2) / d(3) 
6- a(1) / b(2) / c(3) / d(1) 
7- a(1) / b(2) / c(1) / d(3) 
8- a(3) / b(1) / c(2) / d(1) 
9- a(1) / b(2) / c(2) / d(3) 
10- a(3) / b(2) / c(1) / d(2) 
11- a(3) / b(1) / c(2) / d(1) 
12- a(1) / b(2) / c(3) / d(1)



- Se seu médico fez entre 12 e 20 pontos:

Fuja, saia correndo, ligue dizendo que você não está grávida, era um engano, foi apenas má digestão. Você tem certeza que ele tem um diploma válido em território nacional? Ter um parto com esse médico e sair ilesa é tão garantido quanto acertar na Megassena, sem ter comprado um bilhete. 


- Se seu médico fez entre 21 e 30 pontos:


É melhor você trocar de médico e procurar alguém mais antenado com as novas tendências em atendimento obstétrico. Seu médico pode até ser bem intencionado, mas definitivamente é mal informado. Pode ser que dê um bom ginecologista, mas como parteiro deixa muito a desejar! 


- Se seu médico fez entre 31 e 37 pontos:


O cara é fera, conhece e aplica as recomendações da Organização da Saúde e as evidências científicas. Aparentemente evita procedimentos médicos que podem atrapalhar o trabalho de parto. É respeitoso e honesto. Parece um cara do bem, um bom partido. Me arruma o telefone dele?


Fonte: Amigas do Parto

E aí, gostou do resultado?

bjim,
Cidália

Mãe é sinônimo de culpa, por que?

Nenhum comentário

Oi meninas, hoje quero contar um episódio que me aconteceu semana passada (um desabafo).Estava eu levando meu filho para a escola, desligo o carro e comento e voz alta: ´putz, filho, hoje é dia de natação e a mamãe esqueceu de trazer as coisinhas´.


Rapidamente olho pelo retrovisor para ver se ele escutou o que eu disse. Quando chegeui meus olhos no espelho ele já estava me olhando; fez aquela cara de triste e perguntou ´você não trouxe?', balancei a cabeça fazendo sinal de não e então eu escuto: buaaaaaaaa. E a sinfonia do choro começa. 

- Podemos voltar?
- Não dá tempo, o portão vai fechar.
- Mas você me disse ontem que tinha natação, você sabia.
- A mamãe esqueceu. Pedi pra você me lembrar e você não lembrou. Minha última tentativa desesperada de jogar a culpa pra ele e ficar tudo bem.
- Buaaaaaaaaaa....

Não deu certo. Claro, né? A adulta sou eu, a responsável sou eu, a culpa é minha. TODA MINHA, CULPA. Sabendo o tanto que ele gosta de piscina e vendo o choro sentido que não calava, fiz o que qualquer mãe faria: ´ok, vamos voltar´. A culpa era minha mesmo e me partiu o coração quando ele disse que não faria atividade nenhuma enquanto os amiguinhos estivessem na natação. Mais culpa.

Três minutos depois que eu disse que iríamos voltar, ele já estava contando piadas e com o rosto seco, sem uma única lágrima. Já tinha dito que iriamos volta, né, então, lá fomos nós. Pisei o pé no acelerador do carro (que meu marido não leia, desculpa amor) e fui que nem uma louca pra casa pegar o material. Vocês acreditam que no meio do caminho ele ainda pediu para parar porque ele queria fazer xixi? É dá pouco valor a minha cula, né? Sapequinha...

Como não moro muito longe da escola dele, consegui chegar em casa, pegar as coisas e voltar para a escola em uns 15min e antes do portão fechar. Aliás, fomos os últimos a entrar antes que ele fechasse. E ainda tive que escutar um ´tá vendo, mamãe, eu disse que dava tempo´antes de deixá-lo em sala.

Agora, vem cá, por que somos assim? Nos sentimos culpadas por 
tudo? Me deu um remoço no coração quando ele começou a chorar e dizer que ele seria o único a não participar... que a gata dele (paquerinha) ia e ele não ia ter a chance de ensinar ela a nadar (meu pequeno já nada bem) que não consegui ter outra reação a não ser voltar. Cheguei super tarde no trabalho, mas deu certo.

Quando fui pegá-lo no fim do dia, a primeira coisa que ele fez foi me dá um mega abraço e dizer que a aula de natação tinha sido ótima, a melhor da vida dele. Pronto, a culpa foi embora: valeu (e muito) ter pego trânsito, corrido pra caramba, chegado tarde ao trabalho, tudo foi pago ali naquele minuto em que ele me disse aquelas palavrinhas mágicas. Ele também disse que outras crianças não fizeram a aula, que elas nunca fazem, porque os pais não deixam. Mas essa parte eu nem escutei direito.

Não sei porque nos sentimos culpadas por tudo, mas essa fase, quando eles são pequeninos, é tão gostosa (imagino que todas sejam) por causa de ingenuidade, da doçura, do carinho que de vez em quando passar por uns apertos como este é que me faz sentir que estou vivendo momentos importantes com meus filhos (até momentos de aventuras como esse). Valeu à pena e faria outra vez. Porque passa... e passa rápido demais para eu perder meu tempo me lamentado. Quero mesmo é aproveitar.

bjim,
Cidália

Programação cultural - Peppa Pig (até 14/12)

Nenhum comentário

Peppa Pig e seu amigo Pedro, o pônei, brincavam no quintal da casa da Peppa, quando Pedro perdeu seus óculos e não conseguia enxergar mais nada. Não demorou muito e Peppa achou os óculos do seu amigo, mas ficou se perguntando, “Por que eu não uso óculos?”. Então, Papai e Mamãe Pig marcam uma consulta pra ela no oculista. Será que a Peppa precisa usar óculos?



Serviços:
Néia e Nando
Cia Teatral Brasília Shopping (100 lugares)
Sáb. e dom às 16h
Até 14/12
Ingressos somente no dia do espetáculo (R$ 50 inteira, R$ 25 meia)
A bilheteria abre a partir das 13h


Regrinha básica (e fácil) para manter a alimentação saudável em casa

Nenhum comentário
Aqui em casa tenho uma regra sobre a alimentação. Aliás, se você for conversar com meu marido ele irá dizer que tenho regras para tudo. Mas esse é meu jeitinho de tentar disciplinar as crianças sem angustiá-las... porque elas sabem o que podem e o que não podem fazer e/ou comer.

A regra sobre comida é a seguinte (uma delas, rs): besteira só no fim de semana. Simples e eficaz. E por besteira entende-se: doce (balas, pirulitos, chicletes), chocolate, todynho, danoniho, bolacha recheada, refrigerante (e só depois dos 4 anos), suco de caixinha, ou seja, quase tudo que vem em saquinho!


O refrigerante deixo tomar apenas em festa de aniversário (que são muitas, né?). Não tenho o hábito de beber isso em casa.

Sou bastante firme no quesito alimentação e sempre segui essa regra comigo mesma (era assim na casa da minha mãe quando éramos pequenos), então foi fácil manter com as minhas crianças. Para mim é bom porque mantenho a silhueta (ou tento) e para elas porque acredito que assim estou ensinando a terem paciência e saberem esperar (esperar até o fim de semana para comer os doces) e, principalmente, a começarem a desenvolver a consciência de uma alimentação equilibrada e saudável.

Tem funcionado muito bem, obrigada. Meus pequenos pedem para lanchar tomate cereja, brócolis e outros legumes. É uma medida bastante simples que se seguida com disciplina e regularidade trará bons resultados. No início é difícil porque eles querem comer uma balinha 'só hoje', mas tente ser forte que logo,logo eles se acostumam (numas duas semanas).

No post sobre a rotina, mostrei um quadro que fiz para o meu mais velho. Repare que no sábado e domingo há um papel de balinha colado: é quando ele pode comer as guloseimas.



Se você ainda não tem esse hábito, fique tranquila. Sente com seus filhos, explique para eles a nova regra e a siga. Eles irão reclamar nos primeiros dias, mas é normal. Se estiver difícil demais, assim quase impossível, apele para um quadro de recompensas. As crianças costumam reagir bem quando são premiadas. Com a prática, ela acabará incorporando essa regrinha à rotina e você não precisará mais do quadro.

Fica mais fácil para os  pequenos se os pais também entrarem na regra. Acredito que a melhor maneira de se educar uma criança é mais com exemplos do que com palavras.
Dica de ouro


Minha dica de ouro é: não ceda, não abra exceções. Você perde autoridade e credibilidade com isso.


Bjm,

Cidália

Manchas depois da gravidez + pelling facial

Nenhum comentário
Depois que tive meu primeiro filho, fiquei com algumas manchas no rosto. Sou bem branquinha e nunca fui tão rigorosa nos cuidados com a minha pele, mas depois da gestação percebi que manchas novas apareceram.

Como tive um casal, primeiro um menino depois uma menina, notei que ele me deixou com mais manchas do que ela. Pode não ter relação nenhuma, mas essa foi minha constatação. Sei que isso tudo varia de mulher para mulher e muitos outros fatores influenciam, mas conclui isso porque sempre fui uma grávida muito dedicada e certinha (chata mesmo) com a minha alimentação e atividade física.

O fato é que quando fui liberada pelo médico, resolvi fazer um peelling para retirar as manchinhas. Depois de consultar minha dermato, concluímos que três peellings químicos (os mais fraquinhos) seriam o suficiente.

Esse não é meu rosto, mas ele
ficou mais ou menos assim

Olha, não vou dizer que não tenho manchas no rosto depois desse tratamento, porque tenho, mas elas diminuíram consideravelmente. 

Agora só isso não resolve (uma pena). O que percebi que clareia a pele de verdade é utilizar um clareador noturno todos os dias. Como disse, nunca fui assídua nos cuidados com a pele, mas depois que notei os resultados, passei a fazer um ritual de beleza todas as noites (ou pelo menos a maior parte delas, quando não estou morta de cansaço, rs!). Falarei desse ritual aqui em breve.

Então, recomendo que, se apareceram manchinhas durante sua gestação, procure seu dermatologista e converse com ele sobre o que te incomoda. Não é baratinho, mas vale à pena. E não se engane: ele não fará milagres, temos que fazer nossa parte diariamente (ai que canseira, rs!) porque compensa!

bijm,
Cidália

Chegada do Papai Noel - 1º de novembro

Nenhum comentário

Papai Noel está chegando em um lindo espetáculo no Brasília Shopping!

Vale à pena conferir.


Programação:
15h00 às 15h30:
 - Workshop de Mágica com a equipe do Maior Ilusionista do Brasil, Issao Imamura
- Balão Mania
- Pintura de Rosto
- Música

15h30 às 16h00:

- Apresentação de Mágicas com Tio André

16h00 às 16h30:

- Apresentação musical com o grupo Sopa de Teatro

16h30 às 17h00:
- Apresentação do Maior Ilusionista do Brasil, Issao Imamura

17h00:

- Chegada Papai Noel

17h00 às 20h00:

- Música


Entrada franca
De segunda à sábado, das 10h às 22h, domingo e feriados, das 14h às 20h.